março 22, 2017

hoje falamos de DEPRESSÃO


"Há cerca de dois anos enchi uma banheira com água e fui despedir-me dos meus filhos. O meu marido só chegaria daí a duas horas, por isso tinha tempo. Sabia tim-tim por tim-tim como seria. As lâminas há muito compradas, guardadas para a sua entrada triunfal. A porta fechada, para que não fossem os meus filhos a encontrar-me. Só faltava assegurar-me que guardariam com eles a mensagem principal: que eu os amava e que não era culpa deles. 
Sentei-os no sofá em frente à televisão e fi-los repetir duas vezes comigo: «A mamã gosta muito de mim e aconteça o que acontecer não é culpa minha». O meu filho mais pequeno, então com dois anos, repetiu mecanicamente e continuou a ver os desenhos animados. Desejei ardentemente que não se lembrasse de mim quando crescesse. O meu filho mais velho, de quatro anos, começou a repetir, e de repente parou e perguntou: «Mamã, estiveste a cortar cebola?».
Só me lembro de sair da sala cambaleante, desarmada por aquela ingenuidade imaculada e certeira, e de começar a hiperventilar. Depois não sei o que aconteceu. Duas horas mais tarde, quando o meu marido chegou a casa, os meninos informaram-no que a mamã estava a dormir no chão da cozinha."


este testemunho não me sai da cabeça desde que o li. pensar no sofrimento psicológico em que é preciso estar para planear fazer algo assim é aterrador. isto quando esta tristeza profunda não arrasta os filhos para as banheiras do abismo, como acontece tantas vezes. projectei-me, imaginei-me há dois anos, com dois filhos das mesmas idades, e uma banheira cheia... 
quando me licenciei em psicologia, há 12 anos, ir ao psicólogo era uma vergonha, era como ser considerado maluquinho, e quem ia escondia-o tanto quanto podia. hoje, apesar de se verificar uma alteração de mentalidades, continua a existir algum estigma relativamente à procura de apoio psiológico. 
o sofrimento psicológico continua a ser muito desconsiderado, colocado em segundo, terceiro, último plano porque, aparentemente, a pessoa está bem. quer dizer, tem pernas e braços funcionais, mexe-se e nem tem nenhuma ferida aberta, a sangrar, porque não há-de estar bem? por vezes até tem família, emprego, e dinheiro na conta para os gastos. deprimida?! porquê?? é deixar de frescuras e preguiça e levantar-se da cama, que o que não falta são coisas para fazer! ir ao psicólogo? nem pensar, o que é que as pessoas vão dizer? que está maluca? que o tico e o teco deixaram de funcionar!? não, o melhor é ocupar, ocupar o tempo todo, com os filhos e os amigos, emprego e actividades... olha, ou então vai ao médico de família que ele passa-te qualquer coisa e sentes-te melhor. como se a depressão desaparecesse com ocupação, como se fosse uma mania de quem não se quer levantar da cama de manhã, quem não sabe agradecer o que tem de bom na vida. e os comprimidos do médico de família até podem ajudar, um tempo, mas não curam...
a depressão é muito mais do que isso. sabiam que 1 em 4 pessoas sofre de depressão? SO-FRE. importante sublinhar esta palavra. por ano, em Portugal, 1200 pessoas cometem suicídio.
se tiverem um familiar ou amigo que demonstre sinais de depressão, não lhe digam que são manias de quem não tem com que se preocupar. ajudem. compreendam. apoiem. não deixem que um dia vos chegue a noticia da tragédia que podiam ter ajudado a evitar.
deixo aqui uma lista de sintomas que, quando persistentes, devem ser sinais de alerta e indicadores de que devem procurar ajuda especializada:
- tristeza prolongada
- desinteresse nas actividades que anteriormente gostava
- cansaço persistente
- falta ou excesso de apetite
- sonolência ou perda de sono
- diminuição do desejo sexual
- diminuição da auto estima
- ideias relacionadas com morte

procurar ajuda não é sinal de fraqueza, de pouco juízo, não é coisa para "malucos". é sinal de lucidez, de quem percebe que está em sofrimento e procura quem o pode ajudar a não cair no abismo. 
Espero ter sido útil. se alertei pelo menos uma pessoa mais desatenta, já ficarei feliz.

se quiserem ler o testemunho completo podem fazê-lo aqui.



Sofia**


Sem comentários: