dezembro 02, 2016

com ou sem Calendário do Advento...




tenho alguns calendários do advento guardados na minha galeria do Pinterest mas ainda não foi este ano que elaborei um. gostava de ter a ajuda deles e que tivessem mais consciência do que se trata. mas nem por isso deixamos de ter actividades em família, nesta época como em outras, só não temos dias marcados.
assim, para quem quiser fazer um calendário propriamente dito ou apenas ter algumas dicas do que fazer com os miúdos nas férias, deixo-vos algumas ideias do que funciona connosco:



1. decorar a árvore de Natal.

2. fazer uma fornada de bolachas, de preferência com formas alusivas à época (para vocês ou para oferecerem a alguém).

3. ir ao cinema. nesta altura há sempre filmes super giros que apelam ao espírito natalício.

4. fazer algum elemento decorativo para a casa ou, em especial, para o quarto deles. 

5. rever as fotografias tiradas ao longo do ano.

6. participar numa acção solidária (no ano passado participámos no movimento Heat the Street, e o Rodrigo ficou muito sensibilizado por haver meninos sem roupa para vestir!).

7. ensinar-lhes canções de Natal, ou pedir-lhes que nos ensinem as que aprendem na escola.

8. apanhar pinhas para a lareira dos avós (ou para a vossa, caso tenham).

9. passear para ver as iluminações das ruas.

10. contar-lhes uma história sobre o Natal.

11. façam um bolo e inventem-lhe um nome só vosso...

.
.
.
.



estas são só algumas ideias, podem e devem sempre adaptá-las à vossa família e às vossas preferências. o importante é criarem rituais que promovam o tempo de qualidade juntos, que nesta altura do ano, se propicia ainda mais.










Boas festas!


Sofia**











CELEBRAR

Celebra cada objectivo que atinges. Celebra cada pequeno passo que dás. Celebra cada momento em que te sentes feliz. Celebra cada obstáculo que ultrapassas. Celebra cada data que te traz boas lembranças. Celebra cada abraço que recebes. Celebra cada beijo que dás. Celebra por teres iniciado algo. Celebra quando finalmente vês o teu projecto a ganhar vida. Celebra a própria vida.





lembra-te que um pequeno passo para a humanidade, pode ser um grande passo para ti, e se aconteceu deve-se ao teu esforço, à tua coragem, ao teu empenho, à tua motivação, e por isso, celebra!



sabes o que celebro hoje? 

quatro semanas de treino! já o tinha dito aqui que queria voltar a mexer-me. toda a vida o fiz, e nos últimos meses esse separador andava esquecido. lembro-me de no dia 01.01.2016 (há 11 meses - é sempre uma boa altura para criar objectivos!?) ter tirado umas fotos ao espelho e pensar que tinha que me pôr a mexer... fi-lo há quatro semanas, e por isso celebro. agora vou continuar por mais quatro. baby steps. e depois mais quatro... e hei-de celebrar cada uma delas. porquê? porque mereço, porque fui eu que me mentalizei que queria, que precisava, que conseguia. e foi o que fiz!



já pensaste no que queres celebrar?








Bom fim de semana!

Sofia**






novembro 30, 2016

Rodrigo, 6 anos... e seis meses!





ontem quando te fui buscar à escola uma árvore falou comigo. Mãe! ela disse. e nisto apareceste tu. ontem não foi um dia bom para ti, percebi-o nas primeiras palavras e mais tarde desvendaste o porquê. 
queria dizer-te que foi único, que não se vão repetir os dias em que queremos fugir para os braços dos pais ou refugiar-nos num ecran, que os meninos chatos ou os momentos menos divertidos são raríssimos, mas não te quero mentir. 
seis meses depois, continuo com estas dúvidas que, desconfio, me irão acompanhar pela vida fora. seis meses depois cresceste ainda mais, em tamanho e perspicácia, em desembaraço e maturidade. estás tão crescido... cada vez gosto mais de ti, reguila.

vão existir sempre dias mais chatos, colegas menos divertidos, cenas que te vão dar a volta à cabeça, é mesmo assim e não é só contigo. quando isso acontecer, dá asas à imaginação, ouve o teu coração, mostra o teu lado corajoso, sem medos e enfrenta. tudo e todos. tu consegues. e sabes que no final de mais um dia, estaremos sempre aqui para te abraçar, naquele aconchego que te faz saber que o mundo é um lugar seguro.






um dia bom meu amor!


mãe






novembro 29, 2016

a-gra-de-cer





nos Estados Unidos há um dia no ano, a última quinta-feira de Novembro, em que se celebra o agradecimento, mais conhecido por Thanksgiving. juntam-se as famílias, cozinha-se o perú e o puré de batata, há desfiles nas ruas, e agradece-se. agradece-se o que de bom aconteceu durante o ano inteiro, o que se tem, o que se conquistou.
em Portugal não temos esta celebração. não há nenhum dia no calendário que nos "obrigue" a parar, olhar em volta e agradecer. temos o Natal, que os americanos também celebram, reunimos com a família e amigos, comemos e distribuímos montes de prendas. e recebemos. mas será que damos o real valor aos pequenos grandes momentos vividos ao longo do ano. em algum dia do ano!?
quando fiz a certificação em Coaching, fui pela curiosidade, pela aprendizagem, pelo currículo, é certo. e depois de lá estar, dias intensos aqueles, houve tanta coisa que me soou a lugar comum, a mim, pragmática de gema, terra a terra como ninguém. achei, no inicio, que aquela história do agradecermos as pequenas coisas que temos na vida, celebrarmos cada vitória, cada baby step, planearmos e criarmos objectivos, eram tão óbvias, para mim e para todos naquela sala, que não era preciso ter gasto dinheiro para aprender tudo aquilo. eu já sabia. claro que a formação não foi tão redutora como a exponho aqui, houve muito mais, metodologias, conceitos, partilhas, role play...  e claro, que depois de algumas horas de aprendizagem e partilha, muita partilha, apercebi-me que o que "eu já sabia" muitas vezes não punha em prática, e o que "eu já sabia" era afinal um mundo desconhecido para muitos que ali estavam comigo, e para muitos com quem mais tarde pude trabalhar em processo de coaching.

há coisas simples, tão simples na vida, que por vezes têm que ser aprendidas. ou então, relembradas para serem postas em prática. como agradecer.
quantos de vocês agradecem? quantas vezes por dia, por semana, mês ou ano, param e agradecem? e o que agradecem afinal? é o par de sapatos que tanto namoraram na montra, a saúde dos vossos filhos, a promoção no emprego, o momento de registo em que ensinaram a vossa filha a fazer um bolo, o assistir do pôr do sol magnifico, em silêncio? aquele sorriso. aquele beijo. aquele abraço....

as redes sociais entopem-nos de frases positivas e bonitas... mas que podem ser reais, podem fazer parte da nossa vida sem nos darmos conta. a vida é cheia de lugares comuns, é certo. e cabe-nos a nós olhar para eles e valorizá-los. estão em todo o lado, basta termos atenção. e agradecer.












Sofia**













imagem via Pinterest




novembro 25, 2016

3 anos e 9 meses






Duarte,

a tua cor preferida é azul. nos pratos da refeição, nas camisolas e casacos, o teu cão (imaginário) azul, o Chase, da Patrulha, é o teu preferido porque se veste da cor céu trovoada, e a equipa que tem que ganhar sempre... é a azul! (lindo da mãe) cor bonita esta que escolheste para adorar. o céu e o mar são azuis, sabes, e são sinal de vida, natureza, plenitude. e pleno é o teu sorriso, aberto, a transpirar felicidade. gostas de abraços. abraças o teu herói a quem chamas carinhosamente de maninho e és quem mais requisita os abracinhos de grupo cá em casa. 
gosto dos teus beijos melosos e derreto-me com o teu olhar envergonhado. ainda ontem, quando te fui buscar à escola e não saíste sem dar um beijinho de despedida à Alice, a tua nova amiga do coração, foi tão giro. não fosse a precocidade do acontecimento, quase que podia dizer que estás mesmo apaixonado!
após grande insistência da nossa parte, parece que percebeste finalmente, o conceito das refeições em família, de tal forma que és tu quem já repreende quando alguém está em falta à mesa. e falas, falas, falas... às vezes não se aguenta! a não ser quando te sais com estes tesourinhos:

"Na minha escola há um baú com um paCaCaio!"



três anos e nove meses. olho para ti ainda como um bebé, mas sabendo bem que estás a crescer, rápido demais, para o tanto que ainda gosto de te embalar.





te amo,

mãe