Mostrar mensagens com a etiqueta Love Live & Fun. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Love Live & Fun. Mostrar todas as mensagens

maio 18, 2017

ele.





ele liga-me sempre, todos os dias, depois de deixar o mais velho. conta-me como foi, se ficou bem, se ouviram a campainha, ou se chegaram e foi vê-lo correr para a sala. 
ele liga-me sempre, todos os dias, alguns minutos depois de nos termos despedido. deseja-me bom dia, diz que me ama, conta-me o que vê ou o que se lembra. ele ligou-me hoje para me contar como está bonita e vistosa a árvore roxa do Aboim, que graça dá àquela rua, àquela casa, cheia de meninos, cheia de sonhos. ele ligou-me porque viu algo bonito e lembrou-se de mim.
ele.
nós.
























livros - vamos falar de emoções?

às vezes aproveito algumas promoções para investir nos livros. foi o caso destes que comprei na altura da black friday na Bertrand, no ano passado, para lhes oferecer no Natal. em cada um escrevi uma dedicatória, alusiva ao tema do respectivo livro. escrevi na última página, não lhes mostrei. vou esperar que um dia, quando já souberem ler, a descubram e se surpreendam!


já lemos todos e eles gostaram bastante. 
o primeiro, A coisa que mais dói no mundo, fala da mentira e de como pode prejudicar os outros e a nós próprios. a história é engraçada (para os miúdos, principalmente), fá-los rir e entender a mensagem.
o Monstro das Cores é interessante sobretudo para a idade do Duarte (4) mas adapta-se perfeitamente aos mais velhos. para ele não foi novidade porque falou deste livro na escola. ajuda-os a identificar os sentimentos através das cores: a tristeza, a alegria, a raiva, o medo e a calma. e o mais giro é vê-lo a aplicar as cores às situações ("Mãe, estou vermelho, tenho raiva!, Estou azul (feliz) mãe!") - não há como resistir.
Adivinha quanto gosto de ti ofereci directamente ao Rodrigo. desde pequenino que lhe digo que gosto dele tanto assim, e quando chegou ao fim da história até lhe vieram as lágrimas aos olhos. parece simples mas transmite tanto. e as ilustrações são lindíssimas.
Zé zangado faz parte de uma colecção de três livros (se não me engano) que falam das emoções para meninos mais crescidos, em idade de leitura. identifica, neste caso, a zanga e como lidar com ela e dá também dicas aos pais para ajudar os filhos nesta coisa complicada que pode ser o sentir e não saber expressar. desta colecção, escrita por psicólogas, faz parte também a felicidade e o medo.


cá em casa falamos bastante (mas naturalmente) sobre as emoções e sentimentos e vejo com agrado que eles já conseguem transmiti-las verbalmente. por exemplo, às vezes, numa birra, depois de chorarem um bocado, pedem colo e mimo, ou então vêm pedir desculpa pela maneira como se portaram. noutras alturas, dizem obrigado ou relatam como estão felizes com determinada surpresa.
isto pressupõe que interiorizaram a situação, identificaram a forma como se estão a sentir e agem em conformidade. numa situação frustrante, choram e pedem mimo para se acalmarem. se se sentem felizes, reconhecem e agradecem o que os fez ficar assim.



estes são alguns dos livros que considero interessantes para de uma maneira divertida e com bonitas ilustrações falarmos de sentimentos com os nossos pequenos. independentemente das idades, é bom começar a construir uma inteligência emocional que lhes permita lidar da melhor forma com as mais diversas situações nas diferentes fases das suas vidas.




espero que tenham gostado. adorava saber se têm mais sugestões.







Sofia**





P.S.: esqueci-me de mencionar o Divertida-mente (o livro e o filme) outro bom exemplo!










maio 15, 2017

13.05.2017

meus amores,

provavelmente, vocês não se vão lembrar deste dia daqui a uns anos, quando forem mais velhos e começarem a perceber que há datas importantes e que devem ser recordadas. e por isso vou escrever-vos:

a 13 de Maio de 2017, Rodrigo tu estás prestes a fazer 7 anos e tu Duarte já tens 4 anos completos. neste dia, Portugal esteve num reboliço tal foram os acontecimentos memoráveis que marcam esta data. 
vocês não são batizados, nem sei se algum dia farão essa opção, mas mesmo assim, saibam que Fátima e a sua história marcam a história do vosso país, e neste dia aquele "senhor vestido de branco", o Papa Francisco, figura que devolveu a fé e o crédito na Igreja a muitos católicos, celebrou o 13 de Maio em Portugal, canonizou os pastorinhos e juntou milhares de crentes e não crentes na cidade onde um dia, contam, apareceu a Nossa Senhora. independentemente da vossa crença ou não neste acontecimento, é inegável o sentimento e a fé que se gera neste dia em particular, naquele Santuário, e no simbolismo que compõe esta história.

depois, ao final do dia, houve uma espécie de final de campeonato de futebol antecipada, em que o clube que orgulhosamente apoiam junto do vosso pai, ganhou pelo quarto ano consecutivo. vocês não se vão lembrar, mas estavam todos vestidos de vermelho e houve muita emoção ao assistir ao jogo, apesar dos muitos golos marcados pelo Benfica. e depois o Marquês, aquela praça enorme e linda em Lisboa que juntou milhares de pessoas, adeptos do clube encarnado, muitos talvez chegados de Fátima, todos a comemorar mais um título do clube que os emociona, que os move, que lhes transmite algo e os faz acreditar.

mas entretanto, em Kiev, Portugal participava no Eurofestival da Canção, e pela primeira vez era um dos grandes favoritos. a expectativa era grande mas acho que pouca gente acreditava que pudéssemos ganhar. sabem, faz um bocado parte de nós portugueses, não acreditar. o País talvez seja pequeno em tamanho mas enorme em qualidade. os países são o que as suas pessoas fizerem dele. e a prova é os grandes nomes que dão cartas pelo mundo inteiro no desporto, na literatura, na moda, na representação, na música... é preciso ter orgulho no que somos, no que fazemos.
e por falar em música, quero que conheçam o Salvador Sobral. sim, aquele "menino despenteado". um rapaz que seguiu os seus sonhos, trabalhou para os conquistar, não se deixou influenciar e construiu a sua identidade musical. por sorte, tem uma irmã também muito talentosa, a Luísa Sobral, que escreveu um poema lindo para uma música maravilhosa e achou por bem ser o irmão a interpretá-la. e não se enganou. 
e a 13 de Maio de 2017, depois de emocionados com a visita do Papa, a vibrar com a vitória do Benfica, fez-se silêncio no Marquês para ouvir o Salvador e rejubilar de alegria por ele trazer para Portugal o título único de vencedor do Eurofestival, com uma canção linda e cantada em português. pouca gente percebeu a letra da canção, porque pouca gente no mundo inteiro percebe português. mas a música é tão bonita e foi cantada com tanto sentimento e sensibilidade que o mundo inteiro rendeu-se.

foi um dia cheio de emoções. um dia importante para o nosso País, para todos nós, porque nos fez acreditar, valorizar, porque nos fez sentir e sonhar. e já dizia o poeta "o sonho comanda a vida!".
e o amor também, diria eu.




Amar pelos dois






























filhos meus:
acreditem sempre que os vossos sonhos são possíveis e nunca deixem que vos digam que não. façam tudo com muito amor, orgulho e dedicação e vão conseguir alcançar as estrelas!






com carinho,
mãe












maio 11, 2017

Quando lês um livro...

... e gostas mas admites que houve uma parte um pouco mais chata. quando depois vês o filme e percebes que a parte mais chata do filme é a que achaste igualmente chata no livro, e concluis que entre comer orar e amar escolhes, sem dúvidas...



... comer e amar!



o que é que isso diz sobre ti?! ;) :)













"porque a determinada altura temos que perguntar porquê."

porque é que o horário escolar é superior ao horário dos funcionários da função pública?

porque é que há cada vez mais crianças diagnosticadas com deficit de atenção ou hiperactividade?

porque é que as crianças trazem tantos trabalhos de casa? para que servem?

porque é que as escolas têm vindo a reduzir o tempo de intervalo (aka brincadeira) e a aumentar o tempo efectivo de aulas?

porque é que os programas são cada vez mais extensos?

porque é que existem cada vez mais crianças e jovens a queixar-se do sistema escolar, das matérias, dos professores...?

porquê...?



na última reunião na escola do Rodrigo, que recordo está a frequentar o 1º ano (1ª classe), a professora referiu que os miúdos andam cansados, que o programa é muito exigente e que está constantemente a mudar. disse ainda que a última turma que teve do 1º ano, há quatro anos atrás, tinha que aprender ao longo do ano lectivo até ao número 20, e que actualmente, o programa exige que aprendam até ao número 100 e que façam algoritmos e pequenos textos da sua autoria! 

e eu perguntei porquê? quem é que elabora os programas escolares? quem é que define o que é importante as nossas crianças aprenderem? quem está no comando tem noção prática do que se passa no terreno? no que é que se baseia o conteúdo programático?

o que recebi de volta foi um encolher de ombros. quase que senti, por parte da professora, um certo receio em falar não fosse ela dizer tudo o que devia (e não devia, talvez). e todos os outros 24 pais presentes na sala se mantiveram em silêncio. ninguém perguntou porquê, ninguém se juntou à minha indignação, todos se mantiveram calados, conformados. 

o mesmo já acontecia no infantário quando nas reuniões as educadoras se queixavam que não tinham tempo para fazer "coisas giras" com as nossas crianças, e que achavam um absurdo terem que seguir regras e um programa idêntico ao do ensino básico porque o Ministério da Educação assim o exigia. e também aqui ninguém perguntava porquê. (ou melhor, perguntava, eu!) havia um encolher de ombros e conformismo generalizado como se fosse tudo normal! o importante mesmo era discutir a qualidade ou a cor das t-shirts, o valor da prenda da festa de Natal ou as mil exigências para a festa de finalistas...

eu não acho normal! e hei-de perguntar porquê sempre que alguma coisa no que diz respeito à educação/formação dos meus filhos não me pareça adequada! 

eu não me importo que eles brinquem à chuva, que subam às árvores, que venham com os joelhos esfolados. eu não quero recreios forrados a borracha, quadros interactivos, tablets individuais, nem aulas de mandarim ou japonês.
eu quero um ensino apelativo e adequado, que fomente a curiosidade deles e que permita o florescer da sua criatividade.
quero que eles tenham tempo para brincar, para jogar, para estar em grupo, dentro ou fora da sala de aula e que tenham tempo para cultivar valores como solidariedade, amizade, cooperação.
quero uma escola com casas de banho em condições, com um pavilhão desportivo onde não chova, com uma ementa alimentar nutritiva que não os faça passar fome ou encherem-se de bolachas logo a seguir ao almoço. (mas também aqui pareço ser a única a preocupar-me...)
eu quero que a escola, o ensino, seja um lugar para onde os meus filhos vão felizes e entusiasmados, mas isso não acontece. e como ainda só estamos no 1º ano sinceramente tenho medo do que aí vem, mas esperança que muito em breve ocorram mudanças.
porque temos que ser muitos a perguntar PORQUÊ?! ou não?!






desculpem o looongo texto, mas este é um tema que me interessa, que me preocupa e que julgo interessa a muita gente... ou estou errada.


deixo-vos este link com uma entrevista ao Prof. Eduardo Sá que achei muito interessante.





e, por favor, não se conformem!


Sofia**












maio 10, 2017

livros - quando tens um filho a aprender a ler

gosto de lhes oferecer livros e eles, embora não demonstrem grande entusiasmo quando os recebem ("humpf... um livro!?!") são os primeiros a pedir uma história à noite, a quererem saber mais, a fazerem perguntas.  não só é um óptimo pretexto para aquele momento de aconchego antes de dormir, que se quer calmo e sem grandes barulho, como sem esforço nenhum eles vão aumentando o seu vocabulário, ganhando conhecimentos e viajando através das aventuras das personagens! 
além disso, um livro é a minha primeira opção sempre que tenho que comprar uma prenda para as mil e oitocentas festas de aniversário que eles têm ao longo do ano. descansem, só vão a cerca de metade! (risos) o Rodrigo também não acha muita piada, diz que qualquer dia não o convidam porque só oferece livros, mas enquanto as mães me agradecerem... vou manter!

e por falar em livros, hoje e nos próximos dias vou mostrar aqui alguns da biblioteca infantil aqui de casa. há muitos mais, mas estes foi os que achei mais interessantes partilhar.



são ideais para as idades em que estão a iniciar a leitura. o de Tim Warnes é de leitura fácil para os meninos que estão a aprender a ler, é divertido e eles gostam. 
o da Pesca de Palavras encontrei na Fnac quando o Rodrigo entrou para o 1º ano e não hesitei em trazê-lo, tem exercícios que implicam a formação de palavras através do jogo da pesca, o que o torna muito divertido e os faz praticar sem aborrecimentos.
o livro do corpo humano e o dicionário das crianças do mundo comprei no Jumbo, acho, e dá-lhes conhecimento sobre cada um dos temas com linguagem e ilustrações ajustadas a estas idades. é engraçado encontrarem aqui as respostas a como funciona o coração ou sobre a forma de vida das crianças na Índia, por exemplo!



o melhor dos livros infantis é a capacidade de ensinarem sem que os miúdos se apercebam que estão a aprender. o livro dos Porquê é maravilhoso. adorei quando o ofereceram ao Rodrigo porque eu também tive um e era o meu livro preferido. (lembro-me bem daquela capa cor de rosa! quem teve?) e ele também gosta muito, e à noite vamos encontrando as respostas a algumas perguntas que ele mesmo coloca.
As Adivinhas e Anedotas são giríssimos, fartamo-nos de rir e eles gostam de quando estão com amigos ou família partilhar uma ou outra piada. (estes acho que encontrei no Pingo Doce)

Depois o pê de Pai, que dá para qualquer idade, de tão bonita que é a sua mensagem!



espero que tenham gostada desta partilha. por vezes é difícil no meio de tantos livros que existem nas livrarias perceber quais os mais indicados, espero ter ajudado qualquer coisa. 
não tarda trago mais sugestões.




Sofia**






maio 09, 2017

o estranho caso de Salvador Sobral





talvez seja o caso mais recente da velha história do "primeiro estranha-se, depois entranha-se!". 
não sei. sei que a primeira vez que vi a sua actuação tive que ir à procura, porque o burburinho nas redes sociais era tal, que eu queria saber o que tinha feito afinal aquele miúdo engraçado de que me lembrava do Ídolos, para andar meio mundo a falar nele. e estranhei. estranhei a roupa, os gestos, o visual e depois de tudo isto talvez nem tenha prestado muita atenção à música e à letra. nunca mais tinha sabido nada sobre o Salvador Sobral desde que ele desapareceu injustamente do programa. e parece que afinal faz-se mais fora do mundo televisivo do que propriamente metido nele. voltei a ouvir a musica na rádio, onde não há distracções visuais, e entranhou-se. gostei da música, da letra, da voz límpida, do toque da mana Luísa, gostei de tudo. e acho que depois de muitos anos sem ver nenhum Festival da Eurovisão - o último que vi foi em casa dos meus pais, colada à Tv com um gravador de cassetes na mão! - vou hoje assistir e torcer muito para chegarmos longe!




Portugueses pelo Mundo: não se esqueçam de votar!!


Sofia**

maio 08, 2017

dia da mãe 2017

Rodrigo, quase 7, para ele sou alta e magra, gosto de comer tartes, fazer ginástica e usar vestidos fashion. Amo o mano, ele e o pai, e se lhe perguntarem o que sou, ele responde sem hesitar: "a nossa mãe!"
Para mim és tão simplesmente o primeiro grande amor da minha vida, quem me tem ensinado a ser mãe, o meu maior desafio. Amo-te daqui até à lua e... tu sabes! 

um beijo,
mãe



Duarte, 4 anos, para ele sou alta e gordinha, gosto de comer espinafres e abacate, vestir pijama e dar abracinhos. Diz que gosta de mim porque vou sempre tapá-lo à noite e cantar-lhe o "nananina". Amo o pai, ele e o mano, e se lhe perguntarem o que sou, ele responde com um brilho nos olhos: "Linda!"
Para mim és a prova viva de que o amor de mãe se multiplica, não acaba, és a desconstrução de muitas teorias, és o meu filho doce. Amo-te até ao infinito e mais além! 

um beijo,
mãe


instagram @sofia_ferr


não sou uma mãe perfeita nem tenciono sê-lo, mas espero que saibam que se erro é porque estou a tentar acertar no melhor que quero para vocês. se erro é porque me importo, é porque me preocupo e é, com toda a certeza, porque todos os dias vou dou o meu melhor, mesmo que às vezes vos pareça que não.





mil beijos,
mãe










(acho que esta foto do Du diz muito sobre o que é ter filhos rapazes: são duros por fora, sempre a agirem como super heróis, mas de uma grande sensibilidade ao mostrar o amor que nos têm... e eu tenho a sorte de ter dois!














maio 04, 2017

um fim de tarde

andava eu na limpeza dos posts "rascunho" quando encontrei este fim de tarde que, junto com outros, fará parte da manta das memórias felizes!





"Um homem chegou aos quarenta anos e assumiu a tristeza de não ter um filho. (...) Estava sozinho, os seus amores haviam falhado e sentia que tudo lhe faltava pela metade, como se tivesse apenas metade dos olhos, metade do peito e metade das pernas, metade da casa e dos talheres, metade dos dias, metade das palavras para se explicar às pessoas. (...) Via-se metade ao espelho porque se via sem mais ninguém, carregado de ausências e de silêncios como precipícios ou poços fundos. Para dentro do homem era um sem fim, e pouco ou nada do que continha lhe servia de felicidade".

Valter Hugo Mãe, in "O Filho de Mil Homens"

abril 27, 2017

eu tenho um sonho...

bom, não é bem sonho, é mais um desejo: quero andar mais de bicicleta. há muito que ando a namorar uma bicicleta tipo vintage, muito feminina, com cesto e aquele aspecto romântico e giro que se farta. e há muito que me pergunto porque é que nenhum autarca desta cidade se lembrou ainda de requalificá-la para que os seus habitantes possam fazer da bicicleta um meio de transporte de excelência, já que a cidade é plana e o tempo é perfeito para tal!? 

o que eu gostava mesmo era de levar os miúdos à escola de bicicleta, ir às compras, para a praia, andar por aí, por onde nos apetecesse. mas depois colocam-se sempre as questões: o Rodrigo já está crescido para uma cadeira mas não o suficiente para seguir na bicicleta sozinho (mesmo que perto de nós). o Duarte ainda aguenta na cadeira da bicicleta, mas não por muito tempo, e além disso, não sei é se eu aguento com ele "pendurado" atrás de mim!

até que, no outro dia enquanto passeava pelo instagram e dei de caras com esta maravilha...









uma bicicleta que resolve os problemas de qualquer família que queira fazer seu este meio de transporte!! não é fantástico?! eu pelo menos perdi-me de amores! e o melhor é que tem imensas outras cores LINDAS de morrer!


é claro que tem um pequeno senão... o preço... nada friendly! e também não sei bem onde é que a guardava... mas o que vale é que sonhar não custa mesmo nada!!









Sofia**











abril 24, 2017

16 semanas... *

já falei algumas vezes sobre isto, sobre a minha intenção de voltar à actividade física, de em cada viragem do ano renovar os votos de melhorar a minha condição física, fazer exercício regularmente, comer melhor... mas a verdade é que não tem resultado! a verdade é que todos os anos, desde que fui mãe, faço exercício aí umas duas vezes por semana, às vezes uma, ou nenhuma mesmo. a alimentação também tem tido muitos devaneios, e embora não se reflicta muito no peso, há sempre aquele pneu, aquela barriguinha... não tenho sido consistente nos meus objectivos, sendo bastante honesta...

até entrar em 2017!








 e o que mudou? finalmente tomei consciência de que:

- os trintas não são os novos vintes, deixem-se de coisas! e o corpo é o primeiro (e pode ser o único, se quisermos) denunciador disso. o metabolismo é diferente, a pele muda, tudo muda, e temos (ou devemos) estar atentas.

- mais tarde ou mais cedo uma gravidez deixa marcas (que dizer de duas ou mais). e eu que nem aumentei muito de peso, no primeiro filho voltei logo ao lugar, no segundo também achei que sim mas depois... depois é comparar as fotos na praia e ver algumas diferenças!

- posto isto, se não me ponho a mexer, aos quarenta nao me reconheço e, definitivamente, não é isso que eu quero para mim! quero estar bem, sentir-me bem e ter muita saúde!


portanto, a mudança tem que começar de dentro para fora. (já ouviram isto em qualquer lado??). temos que ter um objectivo claro em mente, temos que querer mesmo alterar hábitos alimentares, rotinas de exercicio fisico e temos que adequar isto ao nosso dia a dia, para que estas alterações sejam duradouras e, depois de algum tempo, definam mesmo o nosso estilo de vida. resumindo, não é fazer exercício de janeiro a maio, é de janeiro a janeiro!


no inicio deste ano (ou no final de 2016) tirei umas fotos em frente ao espelho, de bikini, sem me encolher, sem poses, sem filtros... e não gostei do que vi. repito: EU não gostei do que vi. ninguém mais viu, ninguém fez comentários, era apenas eu e o espelho, e aquela gordurinha chata e feia nos sitios chave. e fez-se um click interior que me levou a tomar uma atitude.
era inverno, por isso as minhas corridas ou caminhadas não estavam no topo das prioridades, inscrever-me num ginásio estava fora de questão, e seguir exercicios no youtube também não estava a resultar!
há algum tempo que lia um blogue de uma instrutora de fitness australiana que começou a divulgar uns exercicios e algumas dicas alimentares, e hoje em dia é uma mega estrela do fitness. já tinha experimentado a app (durante uma semana) e resolvi comprar e começar no mesmo dia a cumprir a agenda.

hoje entro na 16ª semana (comprei por 12 semanas e já renovei por mais 12), de exercicios consistentes e regulares, plano de alimentação, agenda semanal de exercicios e fotos de antes e depois. os exercicios são simples, quase que não precisam de equipamento e trabalha-se muito com o peso do próprio corpo, podem ser feitos em casa, no parque ou no jardim, e o circuito completo dura apenas 28 minutos!


comigo tem resultado porque:

- posso fazer quando quero e onde quero (basta ter o telefone e wi-fi comigo);
- são exercicios objectivos, com tempo marcado e repetições definidas o que faz com que eu não me disperse;
- é só meia hora... todos temos meia hora por dia que podemos dedicar a nós, certo?
- sinto-me mesmo bem por estar a cumprir o que me propus;
- e o melhor? começo a ver resultados!


é certo que os resultados, no meu caso, podiam ser mais evidentes, mas eu não tenho sido rigorosa, nem com a alimentação (embora tenha alterado algumas coisas, super importante) nem com os exercicios (o cardio não tem sido cumprido à risca) mas o que interessa é não desistir e continuar, melhorar!


é imprescindivel perceber que tipo de actividade física se adequa melhor a cada um de nós.
é muito importante também termos consciência que não basta uma app, uma inscrição no ginásio, uma foto aos ténis a dizer que corremos 10 km, para ficarmos em forma.
é necessário efectivamente FAZER, cumprir com o nosso plano para atingir o nosso objectivo. NOSSO, não da amiga, da vizinha, do marido ou namorado. o NOSSO objectivo!

o meu é sentir-me bem comigo, com o meu corpo, sempre. não começar a recusar vestir roupas porque já não me sinto bem com elas, poder acompanhar os meus filhos nas corridas, na bicicleta, nas escaladas. avançar com a idade sem ter medo dela. ser saudável e sentir-me bem, comigo, sempre!



e vocês, qual o vosso objectivo? já pensaram nisso?


se quiserem espreitar o blogue da Kayla e tirar algumas dicas ou experimentar a app, podem fazê-lo aqui!

aproveitem o feriado para mexer um pouco!






Sofia**







* confesso que o título do post foi provocador!!! ;)





abril 20, 2017

gosto de as ler... (#4) - Courtney


foto Somewhere Slower


Courtney Adamo é casada com Michael e mãe de quatro: dois meninos (11 e 9) e duas meninas (7 e 3). Viviam em Londres, mas em 2015 resolveram vender tudo e partir com os quatro filhos para conhecerem o mundo, fortalecerem os laços que os unem e aproveitarem bem a infância dos filhos que passa a correr. queriam também aprender e ensinar-lhes tudo sobre a cultura dos os países que escolheram conhecer. 
iniciaram a aventura nos Estados Unidos, fizeram a tradicional road trip pela Califórnia, conheceram vários países da América do Sul, voaram até ao Japão, Sri Lanka e exploraram a Nova Zelândia numa autocaravana. viajaram até França, Itália e não quiseram partir sem conhecer Portugal, claro! 


foto Somewhere Slower


Agora estão na Austrália, não sei por quanto tempo, mas foi lá que há poucas semanas nasceu o quinto filho desta família linda! A sério, se isto não é um sonho, não sei o que será... 
O último post de Courtney é exactamente sobre o nascimento de Wilkie, o bebé cujo sexo só souberam depois do nascimento, que aconteceu em casa, com a família toda por perto e com uma tempestade a acontecer lá fora. é de tal forma emocionante o relato deste momento, que me fez esquecer os receios de ter um filho em casa, o embaraço de ter os outros filhos e familiares por perto, o facto de estar num país estranho. leiam, vale a pena!


Somewhere Slower é o blog de Courtney. Conheciam? eu já leio há algum tempo mas este último post foi de me deixar com uma lagrimita!




Espero que tenham gostado!




Sofia**

















somos só humanos. todos!




faz-me imensa confusão a facilidade com que se julga o outro. a sério. não sendo nenhuma santa, longe disso, não consigo perceber como se acusa, julga e dita a sentença sem dó nem piedade. como é que, apenas com base nas letras gordas dos jornais que precisam de obter visualizações nas suas noticias, somos todos uns certinhos que sabem tudo e nunca erraram. 
sim, há erros graves, sim há erros com que se tem que lidar terrivelmente durante toda a vida, e sim, nenhum de nós está livre de um dia poder cometer um erro assim. não se iludam, já diz a música, somos só humanos, apesar de tudo! 
haja mais empatia no mundo. e sejam gentis, por favor. não se esqueçam que os nossos filhos aprendem com os exemplos, que têm em casa









Sofia**
















abril 06, 2017

apaixonei-me outra vez...

voltei a sentir aquela vontade de conhecer algo novo, desbravar caminho, alargar horizontes. depois de anos a lutar contra o sono, a tentar manter-me desperta, a forçar-me de certa forma a gostar do que tinha mesmo ali ao lado, eis que a paixão voltou a surgir assim, do nada, cheia de vontade de me fazer (mais) feliz.



instagram @sofia_ferr

não, não falo de um novo amor, porque nesse capítulo a paixão mantém-se presa à mesma personagem. revelo-vos antes que me voltei a apaixonar pela leitura! a sério? um livro? é disso que falas?? - dizem vocês, talvez...

sim, um livro! mais do que um, aliás, já vou no segundo e estamos no inicio do 4º mês de 2017! saliento o já porque sinceramente, perdi a conta às passagens de ano em que uma das minhas resoluções era ler pelo menos um livro! e lamento dizer, mas desiludi-me de todas as vezes. excepto agora, algo me fez pegar num livro que estava na estante esquecido há cerca de quatro anos e oferecido por ele. tentei lê-lo mais do que uma vez mas sem efeito. vinha o sono, o peso nas pálpebras, e todas as desculpas para o voltar a encostar.
fui leitora activa durante vários anos. a minha mãe sempre me ofereceu livros de aventura, ciência, romances, mais tarde livros de psicologia, e eu lia todos com a vontade de viver a vida daquelas personagens, de descobrir lugares, de saber mais coisas, conhecer outras realidades, deixava-me levar literalmente pelas palavras.
depois vieram os filhos e não sendo eles os responsáveis a verdade é que me retiraram boas horas de sono e de descanso no sofá onde não havia nada mais reconfortante do que pegar num livro e viajar. confesso que nos últimos 7 anos, tirando blogues, artigos de jornal e alguns livros técnicos, o único livro que consegui ler foi O que vejo e não esqueço, de Catarina Furtado. a admiração que tenho pelo caminho que tem vindo a traçar e a importância do seu papel solidário prenderam-me a todas aquelas histórias tão dificeis.
não sabia por onde começar. claro que nunca se deixa de saber ler, mas às tantas, depois de uma ausência prolongada de um hábito, fiquei sem saber que tipo de livro deveria escolher. fui muitas vezes para a Fnac, vaguear pelas estantes, pegava num e noutro mas não trazia nenhum! optei então por pegar na prata da casa e aquele que estava cheio de pó no escritório devolveu-me o hábito de leitura. de seguida comecei com outro que a minha cunhada me emprestou há mais de um ano, e é por Itália que viajo neste momento. como não vi o filme, tudo para mim é novo e como adoro viajar, até agora, estou a gostar do que leio!

para quem como eu adora viajar pelas letras mas tem esse ritual adormecido: peguem num livro, qualquer um, e voltem a ler! é maravilhoso!!



e se quiserem deixar dicas de leitura, serão muito bem vindas!

beijinhos,

Sofia**








abril 04, 2017

sobre o dia 30.03.2017,

o dia em que comemorei mais um ano. não posso dizer que me acho mais velha, mas sem dúvida que me sinto mais madura, mais consciente, mais atenta ao que me rodeia, e ao que relamente importa. talvez, também por isso, tenha dado de caras com este texto, que fala sobre quem sabe ser feliz, e que podia ter sido escrito por mim... mas foi outra Sofia! :)


instagram @sofia_ferr




"acredito que é nos momentos bons, na alegria e na felicidade pura, no chegar ao cimo da montanha, na superação e na conquista, na energia boa que contagia (só) os de bom coração, que tu percebes quem gosta mesmo, mesmo de ti.
é nos momentos de grande felicidade que percebes quem fica genuinamente feliz por ti. e quem contraria o ditado ‘’as pessoas querem-te ver feliz, mas nunca mais feliz do que elas’’.


é feliz quem aprende a gostar de si mesmo, quem valoriza os que estão sempre ao seu lado, quem agradece muito mais do que pede, quem sabe dizer desculpa, obrigada, gosto muito de ti.
é feliz quem confia no tempo certo de tudo, quem mantém o olhar positivo sobre a vida e sobre os outros, quem enche o peito de coragem para dizer não, quem se põe em primeiro lugar e deixa para trás o que só magoa, quem ajuda alguém a se levantar e a (re)acreditar.

é feliz quem vive em paz consigo mesmo, quem não se diminui para caber na vontade de ninguém, quem não finge ser o que não é só para ganhar o amor de alguém.

é feliz quem sabe (bem) o que de verdade importa."











obrigada por todas as mensagens!


Sofia**





P.S.:o meu bolo de aniversário (de ananás, adoro!), não só tinha este aspecto delicioso, como estava mesmo de se comer de uma vez só! 
foi feito com muito amor, pelo meu Amor!
obrigada...




março 29, 2017

março 23, 2017

alerta à navegação... ou serviço público!



não confundam as coisas. 
quem tem carro sabe que há pelo menos duas coisas que tem que pagar anualmente: o selo (ou Imposto Único de Circulação) e a inspecção. 
ora, acontece que ambos costumam ter data limite de pagamento no mesmo mês. digamos que seja Março! mas ATENÇÃO: no mesmo mês NÃO significa que seja no mesmo dia! Não!! porque o selo podem pagar até ao final do mês da matrícula do carro, digamos que seja Março, ok? mas não se atrasem, nem sequer umas horas depois da meia noite do dia 31, porque passados uns meses, ou até anos, podem receber no correio a multinha para pagar esse atraso. são só €15.00 €25.00! ok? pronto, isto em relação ao IUC. entendidos?

mas depois temos a inspecção. não confundam as coisas! a inspecção tem que ser realizada até à data da matrícula do carro, isto é, o dia! (vão lá ver no livrinho verde que está lá tudo!) mas digamos que é 15 de Março! ora, deviam ter levado o carro à inspecção antes do dia 15, porque senão, arriscam-se um belo dia, estarem a sair do trabalho, e terem o azar de estar um carro patrulha estrategicamente colocado numa rotunda perto do vosso local de trabalho, que vos tira um raio x ao carro, e a seguir está um Sr. guarda, mais à frente, a mandar-vos parar e a dizer com ar simpático: 

- Muito boa tarde! Então passe para cá €250.00 porque há já 3 dias que devia ter levado o carro à inspecção e ainda anda aqui a infringir a lei!

(momentos incrédulos, de surpresa e troca de palavras...)

- mas Sr. guarda, o carro esteve na oficina a mudar as pastilhas dos travões, tenho a inspecção marcada para amanhã!

- pois, mas sabe, já podia ter feito a inspecção há 3 meses... imagine que tem um acidente? o seguro não lhe paga nada sem ter a inspecção feita! são €250.00!

- mas... amanhã de manhã estou com o carro o centro de inspecções!!...

- não, olhe são €250.00 mas não se preocupe, agora vai ao posto e pede para pagar em prestações, depois eles ainda levam muito tempo a responder. e quando vier a resposta, depois pronto, vai pagando aos poucos, não vai custar nada!

- ???!???!!! (PqP!)

(...)


(sim, Sr. guarda, vai custar porque, entre outras coisas, €250.00 é o preço da bicicleta que ando há meses a namorar e ainda não comprei porque, enfim, são €250.00... já devia era ter mudado de transporte há mais tempo!)




não confundam as coisas! a inspecção Tem que ser realizada antes do DIA da matrícula do carro. não no final do mês da matrícula do carro!! evitem este roubo, por favor!






Sofia**











março 22, 2017

hoje falamos de DEPRESSÃO


"Há cerca de dois anos enchi uma banheira com água e fui despedir-me dos meus filhos. O meu marido só chegaria daí a duas horas, por isso tinha tempo. Sabia tim-tim por tim-tim como seria. As lâminas há muito compradas, guardadas para a sua entrada triunfal. A porta fechada, para que não fossem os meus filhos a encontrar-me. Só faltava assegurar-me que guardariam com eles a mensagem principal: que eu os amava e que não era culpa deles. 
Sentei-os no sofá em frente à televisão e fi-los repetir duas vezes comigo: «A mamã gosta muito de mim e aconteça o que acontecer não é culpa minha». O meu filho mais pequeno, então com dois anos, repetiu mecanicamente e continuou a ver os desenhos animados. Desejei ardentemente que não se lembrasse de mim quando crescesse. O meu filho mais velho, de quatro anos, começou a repetir, e de repente parou e perguntou: «Mamã, estiveste a cortar cebola?».
Só me lembro de sair da sala cambaleante, desarmada por aquela ingenuidade imaculada e certeira, e de começar a hiperventilar. Depois não sei o que aconteceu. Duas horas mais tarde, quando o meu marido chegou a casa, os meninos informaram-no que a mamã estava a dormir no chão da cozinha."


este testemunho não me sai da cabeça desde que o li. pensar no sofrimento psicológico em que é preciso estar para planear fazer algo assim é aterrador. isto quando esta tristeza profunda não arrasta os filhos para as banheiras do abismo, como acontece tantas vezes. projectei-me, imaginei-me há dois anos, com dois filhos das mesmas idades, e uma banheira cheia... 
quando me licenciei em psicologia, há 12 anos, ir ao psicólogo era uma vergonha, era como ser considerado maluquinho, e quem ia escondia-o tanto quanto podia. hoje, apesar de se verificar uma alteração de mentalidades, continua a existir algum estigma relativamente à procura de apoio psiológico. 
o sofrimento psicológico continua a ser muito desconsiderado, colocado em segundo, terceiro, último plano porque, aparentemente, a pessoa está bem. quer dizer, tem pernas e braços funcionais, mexe-se e nem tem nenhuma ferida aberta, a sangrar, porque não há-de estar bem? por vezes até tem família, emprego, e dinheiro na conta para os gastos. deprimida?! porquê?? é deixar de frescuras e preguiça e levantar-se da cama, que o que não falta são coisas para fazer! ir ao psicólogo? nem pensar, o que é que as pessoas vão dizer? que está maluca? que o tico e o teco deixaram de funcionar!? não, o melhor é ocupar, ocupar o tempo todo, com os filhos e os amigos, emprego e actividades... olha, ou então vai ao médico de família que ele passa-te qualquer coisa e sentes-te melhor. como se a depressão desaparecesse com ocupação, como se fosse uma mania de quem não se quer levantar da cama de manhã, quem não sabe agradecer o que tem de bom na vida. e os comprimidos do médico de família até podem ajudar, um tempo, mas não curam...
a depressão é muito mais do que isso. sabiam que 1 em 4 pessoas sofre de depressão? SO-FRE. importante sublinhar esta palavra. por ano, em Portugal, 1200 pessoas cometem suicídio.
se tiverem um familiar ou amigo que demonstre sinais de depressão, não lhe digam que são manias de quem não tem com que se preocupar. ajudem. compreendam. apoiem. não deixem que um dia vos chegue a noticia da tragédia que podiam ter ajudado a evitar.
deixo aqui uma lista de sintomas que, quando persistentes, devem ser sinais de alerta e indicadores de que devem procurar ajuda especializada:
- tristeza prolongada
- desinteresse nas actividades que anteriormente gostava
- cansaço persistente
- falta ou excesso de apetite
- sonolência ou perda de sono
- diminuição do desejo sexual
- diminuição da auto estima
- ideias relacionadas com morte

procurar ajuda não é sinal de fraqueza, de pouco juízo, não é coisa para "malucos". é sinal de lucidez, de quem percebe que está em sofrimento e procura quem o pode ajudar a não cair no abismo. 
Espero ter sido útil. se alertei pelo menos uma pessoa mais desatenta, já ficarei feliz.

se quiserem ler o testemunho completo podem fazê-lo aqui.



Sofia**


março 08, 2017

Dia da Mulher, 2017

hoje, quando abri o Facebook, tinha esta lembrança de 2014. o Rodrigo tinha quase 4 e ofereceu-me flores. um gesto recorrente deste meu filho querido, oferecer-me flores. e o mais engraçado é que tem vindo a incentivar o mano a fazê-lo. sou uma sortuda :)


instagram @sofia_ferr

há precisamente 3 anos, o meu filho oferecia-me flores, sem saber se era dia da Mulher ou não. para ele foi apenas um gesto de carinho, em mais um dia de sol. o que eu espero, é que tanto ele como o mano, sejam sempre assim, gentis com as mulheres que irão passar nas suas vidas, que lhes demonstrem a sua importância, o seu valor, sem que o calendário o dite, mas apenas por sentirem que devem fazê-lo. 
mas espero também que nessa altura, já jovens adultos, o Mundo esteja diferente para as mulheres. por exemplo, desejo que a excisão nas mulheres seja uma cruel prática do passado, que na Arábia Saudita as mulheres possam nadar, conduzir ou ir a um médico sem a autorização de um homem da família, ou que no Iémen, o pior país do mundo para se nascer mulher, estas deixem de ser consideradas "metade de uma pessoa", e que na Índia, Singapura e Bahamas deixe de ser legal violar meninas com idades superiores a 15 anos (13 em Singapura)... 
estamos em 2017, os meus filhos oferecem-me flores, têm meninas enquanto colegas, na escola e no desporto, e crescem num contexto privilegiado, em que embora existam muitas desigualdades de género, em nada se comparam com tantas que acontecem, todos os dias, em todo o mundo. e é por isso que embora os gestos de carinho e celebração sejam sempre importantes, 8 de Março deve representar bem mais do que isso, para que um dia a igualdade entre homens e mulheres seja uma realidade em cada canto do mundo, e nascer mulher seja uma benção e não uma condenação. e é esta mensagem que (também) devemos passar aos nossos filhos.




Feliz dia da Mulher!








Sofia**